Ser sincero

Que a sinceridade é uma qualidade indispensável nas relações humanas, todos sabemos, porém ela tem que vir acompanhada de sutileza, pois se usada de maneira grosseira pode machucar ou até causar danos irreversíveis a alguém.

Mostrar a opinião, sem críticas. Ajudar, tentar de alguma forma, melhorar a vida do outro é fazer com que a sinceridade seja motivo de confiança e não de afastamento.

Quando adolescente, eu não usava saias e shorts pelo simples fato de que alguém um dia me disse que minhas pernas eram grossas. Essa frase ficou martelando na minha cabeça e se transformou em complexo de inferioridade. Somente depois de adulta pude ter o discernimento que ter pernas grossas não era tão ruim assim, ou que era totalmente normal. A maneira de se dizer as verdades tem que ser ponderada e dita com cautela.

Não precisamos mentir para as pessoas. Há sempre um jeitinho de ser sincero, sem magoar, sem criar situações constrangedoras para ambas as partes.
Se alguém pede a nossa opinião, devemos sempre dar o nosso parecer com sinceridade. Agora, caso a opinião alheia não tenha sido solicitada, não meter o bedelho onde não é chamado é questão de bom senso.

Podemos sim, identificar quando uma pessoa mantém hábitos que são prejudiciais para si, como por exemplo: tendo sua saúde prejudicada por causa da obesidade ou tabagismo e mesmo assim continua se entupindo de comida e cigarros. Nesses casos, tentar ajudá-la sem ofender é a melhor escolha. Humilhá-la jamais! 


Quanto ao resto, se a maneira de se vestir não nos agrada, ou o corte do seu cabelo, a nosso ver, é esquisito, não temos o direito de interferir, se ela se sente bem assim. É sempre bom lembrar que existem infinitas formas de se viver e não é porque você ou o grupo que vive a sua volta escolheu uma delas, é que essa é a melhor.


Que saibamos diferenciar para que possamos ser verdadeiros e não controladores.


Joana Tiemann

Postagens mais visitadas