The Top Five Regrets of the dying & Ainda é tempo de reaprender...


The Top Five Regrets of the dying & Ainda é tempo de aprender

Por (Claudiane Ferreira)


Um amigo enviou-me um linke mal sabia ele que a essência contida na matéria faria toda a diferença no meu dia, na minha semana, e contribuiria sobremaneira em minhas futuras escolhas.

Era um vídeo, assisti-o várias vezes, talvez, tentando cristalizar os cinco tópicos transcritos abaixo.

*Eu gostaria de ter tido a coragem de viver uma vida fiel a mim mesmo;
*Eu gostaria de não ter trabalhado tão duro;
*Eu gostaria de ter tido a coragem de expressar meus sentimentos;
*Eu gostaria de ter ficado em contato com meus amigos;
*Queria ter me permitido ser feliz. 


E por estar ávida em conhecer mais... Parti para a pesquisa.

O motivo da inspiração desse vídeo brasileiro foi o livro Antes de Partir, cujo título original é “The Top Five Regrets of the dying: a life transformed by the dearly departing", algo como Os cinco maiores arrependimentos dos que estão morrendo: a vida transformada (revista) na hora da partida. Copyrigtht 2011, 2012.

Talvez você esteja se perguntando o que levou Bronnie Ware a escrever sobre um assunto, digamos assim, “pungente”. Bem, tudo iniciou a partir do momento que ela decidiu arranjar um emprego onde pudesse residir e que a deixasse com certa liberdade para trabalhar em suas composições musicais. Mesmo sem formação, começou a trabalhar como cuidadora de pacientes que voltavam ao lar para morrer.

Segundo Bronnie, cada casa era uma sala de aula diferente. Intrigada com os arrependimentos comuns que durante anos foram lhe confidenciados resolve, em 2009, criar um blog, publicando alguns relatos, mas, preservando é claro os nomes dos pacientes.

O site http://bronnieware.com/ fez tanto sucesso que 17 dos relatos de seus  pacientes terminais foram reunidos em 2011/2012 ,no livro citado nesta crônica. A autora afirma que embora o seu livro fale abertamente sobre morte e arrependimentos, na verdade, ela quis mesmo falar sobre a vida, coragem e esperança. Uma das maiores lições que aprendeu com eles foi que no final de sua vida o que as outras pessoas pensam sobre você é desimportante.

Assim, como a maior parte dos mortais, eu também me preocupava, de certa maneira, com a opinião dos outros e, sendo assim, alguns sentimentos e também a minha felicidade fluíam limitados.

Os verbos já se encontram no pretérito. Compartilharei com vocês o meu primeiro ato de libertação. Um acontecimento bobo, pensarão alguns após a leitura...


Interrompi minha pedalada para contemplar uma garça solitária... De repente, sem mais nem menos, deitei no banco e fiquei a contemplar as aves, as nuvens, a conversar com Deus e pasme, ele me respondia, pois uma paz, uma leveza, uma alegria etérea foi me preenchendo. De vez enquanto, sentia o olhar interrogativo de algum transeunte.  

Que bom que não precisei chegar ao fim da reta ou quem sabe da curva para começar a “desimportar”.

Fico por aqui na torcida que o vírus da desimportância faça morada também em você. 


Tenho o hábito de sempre postar uma citação ao final, hoje deixarei para vocês um poema do Helder( um amigo aqui da minha cidade),que tocou o meu "Eu"  e casa perfeitamente com a mensagem que humildemente tento provocar.




"...... que desencantem os medos...
pelos becos....nas ladeiras....
curvas e retas façam bailar n'alma....a felicidade....
e a coragem nos empurre por novos caminhos....
histórias por ouvir e contar....
não são feitos e glórias....
só as alegrias da vida...
pra lembrar....
....."
(hbsaquarema)


Como ainda ficou um gostinho de quero mais, a traça-livro que vós fala já fez sua encomenda. Deixo de presente a sinopse que retirei do site da Saraiva



Eis que, ao falar da morte, Bronnie Ware nos enche de vida nestas preciosas páginas. Sem a intenção de escrever um livro de autoajuda, ela acaba nos revelando lições imorredouras.E nos ensina que ser quem somos exige muita coragem; que o valor verdadeiro não está no que possuímos; que o que importa é como vivemos as nossas vidas; que podemos fazer alguma diferença positiva; que a vida não nos deve nada, nós é que devemos a nós mesmos; que a gratidão por todos os dias ao longo do caminho é a chave para reconhecer e curtir a felicidade agora; que a culpa é tóxica; que a solidão não é a falta de pessoas, mas de compreensão e aceitação; que é possível inventar vidas e demolir prisões criadas por nós mesmos. Enfim, ao falar da morte, baseada nos relatos de dezenas de pacientes terminais, a escritora nos revela que a percepção do tempo limitado pode aumentar a consciência que temos da vida, esta preciosidade indefinível. É perda de tempo tentar defini-la — o mundo é espelho, reflexo de nós mesmos. 

Antes de partir
Autora: Bronnie Ware
Tradutor: Chico Lopes
Categoria: Desenvolvimento Pessoal
Editora: Jardim dos Livros

(1) 
http://www.aleteia.org/pt/video/5-maiores-arrependimentos-antes-de-morrer-5812782398177280?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt-15/04/2015

Postagens mais visitadas