BORBOLETA TRISTE.

BORBOLETA TRISTE
(Por Maristela Ormond)


Esperei tanto tempo dentro de um casulo.
Fui crescendo, desenvolvendo, virando, apertando...
Minhas asas que estavam por se formar doíam a cada movimento.
Tive que encontrar um esconderijo, para que não fosse predada por uma maldade qualquer.
Foram fases doloridas da metamorfose até que um dia ela aconteceu e pensei: Vou sair e conhecer o mundo. Um mundo tão colorido quanto minhas asas.
Quando consegui voar pelo mundo, pousei de flor em flor, retirando o néctar da vida.
Encontrei muitos predadores, precisei de uma boa camuflagem para sobreviver a eles. Mas o maior predador que encontrei, disse-me um amigo, se chama homem.
Foi dele que tive que fugir e voar para muito, muito distante...
Observei lá do alto que esse homem, era muito cruel, não só comigo como para outros seres e principalmente para com os de sua própria espécie.
Pensei muitas vezes, porque ele seria assim?
Será que o sofrimento de sua metamorfose foi muito mais dolorida que a minha?
Pousei então em mais alguns lugares e observei o mundo que pensava colorido, mas não me agradou o que vi e torne-me uma borboleta triste, por tudo que vi e aprendi.
Minha vida é muito curta e por isso tive que partir sem compreender...
Tomara que esse homem tenha uma vida mais longa e possa mudar algumas coisas.
Tomara que ele possa retirar o néctar da flor e saborear o vento doce em seu rosto e que perceba que por mais longa que seja sua vida, precisa viver sem ser predado pelo outro, para voar cada vez mais distante para um lugar chamado Felicidade.




Postagens mais visitadas