FALTA DE EDUCAÇÃO

FALTA DE EDUCAÇÃO...
(Por Maristela Ormond)

Imagem retirada da web

   Um dia destes, estava eu como acompanhante num hospital público, mas como eu era a segunda acompanhante não foi permitida minha entrada. Então tomei outro caminho e fiquei a espera das duas pessoas que talvez precisassem de meu auxílio.
     Era um dia desses de muito calor, sol escaldante e me posicionei em uma pequena praça onde as pessoas leem, tomam um refrigerante, conversam, enfim, esperam por alguém ou algo num canto mais aconchegante. Porém o calor realmente estava insuportável e só o mormaço dos trinta graus já era suficiente para que eu procurasse um lugar mais ameno e confortável, então procurei sentar-me em um banco ao lado de uma pequena lanchonete, acompanhada de meu livro e uma boa garrafinha d’água para espantar o calor.
        Passado algum tempo um rapaz acompanhado de uma garota sentou-se ao meu lado. De imediato senti logo um desconforto, pois o banco era de madeira feito de ripas e o rapaz tinha mais de cem quilos acredito eu. Deixo claro aqui que não faço nenhuma objeção às pessoas bem dotadas de camada adiposa, muito pelo contrário. Mas o rapaz não se sentou, ele simplesmente levantou-me, pois se jogou no banco de um baque que pensei ter escolhido uma gangorra ao invés de um banco e a sua companheira fez o mesmo.
        Pensei comigo: acho que estou mesmo ficando velha, pois se fosse sentar-me ao lado de alguém seja onde for primeiro pediria licença, uma vez que o lugar estava sendo ocupado por outro alguém e segundo, tentaria sentar-me o mais suavemente possível para não incomodá-lo. Mas vá lá, tudo bem. Continuei minha leitura até certo ponto, pois comecei a ler a mesma frase pelo menos duas vezes porque não conseguia compreender e prestar atenção, pois a fala dos dois era tão alta que incomodava e no mais estavam com um belo sanduiche cada um, big alguma coisa e de vez em quando trocavam para experimentar o sanduiche do outro.
      Mesmo que eu não quisesse, como não sou surda, fui obrigada a ouvir a conversa que foi de comida a carro e todo o assunto é claro, entre uma mastigação e outra. Quando a conversa chegou a um determinado auge a garota encostou-se bem perto de mim e usou-me como encosto para as costas. Fiquei abismada e recuei um pouco mais para que fosse notada, ocupando um espaço ainda menor para que ela ficasse a vontade.
            Terminado o “lanchinho” dos dois, um deles fez menção de buscar outro “sanduba” e eu pensei comigo: Meu Deus vou ter que procurar outro abrigo, mesmo porque já havia lido a mesma página do livro pelo menos duas vezes... Mas afinal não foram buscar o tal lanche e ao terminarem jogaram o saco de sanduíche melado em frente ao banco sem nenhuma restrição. Involuntariamente olhei para o lixo jogado assustada, olhei também para o casal e recebi em troca um olhar do tipo eeee??? Logico que fiquei sem graça , quando não era eu quem deveria ficar, mas tentei ignorar o fato e continuar minha leitura, claro na mesma página do livro, fingindo nada ter visto.
        Acabaram então de tomar o refrigerante e antes de levantarem-se, o rapaz virou para meu lado e deu um tremendo arroto saindo os dois sem tirarem o lixo jogado e achando graça daquilo que haviam acabado de fazer...
     Agora me respondam isso não é falta de educação e Educação?
      Um país que leva a sério a Educação com certeza terá um povo mais educado. Acredito demasiadamente nisto uma vez que com certeza seriam filhos de pais educados e consequentemente também teriam um pouco mais de compostura e sabemos perfeitamente que foi delegada a Educação também tratar da educação que deveria ter vindo de berço e no mais a cobrança de que somos um país onde a leitura, escrita e raciocínio lógico estão deixando a desejar nos faz pensar que temos que melhorar nesta parte quando na realidade sabemos que nosso povo precisa mesmo é de melhorar em vários aspectos para que possamos atingir outro nível de aprendizagem como, por exemplo, a manutenção do patrimônio público e por aí afora...

“Educação gera conhecimento, conhecimento gera sabedoria, e só um povo sábio pode mudar seu destino.” (Samuel Lima).


Postagens mais visitadas